Interação Oceano-Atmosfera, Variabilidade Climática e Previsibilidade no Norte-Nordeste do Brasil e no Atlântico Tropical

MOM4 SST janyr11

Os processos de interação oceano-atmosfera são responsáveis por parte da variabilidade climática em diversas escalas no espaço e no tempo. Por exemplo, o sistema de monção da América do Sul – caracterizado principalmente pela estação chuvosa na bacia do rio Amazonas no verão austral e pela presença da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) – e a distribuição de chuvas no Norte do Brasil (NB) e Nordeste do Brasil (NEB) são modulados pela variabilidade intrasazonal a interdecenal da temperatura da superfície do mar no Pacífico e do Atlântico (e.g., Moura e Shukla 1981; Ropelewski e Halpert, 1987; Grimm 2003). A variabilidade da precipitação, da evaporação e do aporte de água doce de rios estão diretamente associados a variabilidade da salinidade de superfície, sendo essa, portanto, um indicador da intensidade do ciclo hidrológico sobre regiões oceânicas (CLIVAR, 2006). Novos dados provenientes do satélite SMOS da Agência Espacial Européia e, brevemente, do satélite Aquarius podem contribuir significativamente para a melhoria do entendimento da variabilidade da salinidade nos oceanos tropicais e, portanto, do ciclo hidrológico e dos processos de interação oceano-atmosfera. Para maximizar o impacto desses novos dados e dos que estão sendo coletados pelo sistema ARGO, PIRATA e outros, métodos de assimilação de dados oceanográficos devem ser aplicados para que, juntamente com modelos numéricos, estimativas mais precisas do estado físico e da circulação oceânica sejam produzidas com as análises objetivas. As análises servem não só para estudos diagnósticos como também para melhorar a previsibilidade de tempo e clima. Considerando as mudanças climáticas, o entendimento da variabilidade do clima passado e presente torna-se ainda mais relevante para que se possa acompanhar e investigar alterações no clima. 

Objetivo Principal: (i) previsibilidade oceânica nas diversas escalas de tempo através reanálises e modelagem de cenários de mudanças climáticas, usando condições de contorno do IPCC AR4/AR5, com ênfase no ciclo hidrológico para o Atlântico Tropical e regiões Norte e Nordeste do Brasil; (ii) previsão de eventos atmosféricos extremos a partir de dados meteo-oceanográficos modelados e in situ; (iii) estimativa dos fluxos de interação oceano-atmosfera no Atlântico Tropical a partir dos resultados de modelagem e análise de dados meteo-oceanográficos.

Coordenadores: Dóris Veleda (UFPE) & Marcus Silva (UFPE)

Abordagem Metodológica: modelagem e análise de dados meteo-oceanográficos.