Recursos Vivos do Atlântico Tropical e Ilhas Oceânicas

Os recursos vivos pelágicos e costeiros, de uma maneira geral, apresentam uma elevada sensibilidade às variações dos parâmetros físico-químicos, decorrente de sua maior vulnerabilidade ao meio no qual estão imersos, quando comparados aos animais terrestres. Por essa razão, modificações no regime climático são capazes de exercer sobre os organismos grandes influências, interferindo, inclusive, nas interações entre predadores e presas, de tal maneira que flutuações ambientais podem retardar ou acelerar, significativamente, a recuperação de um determinado estoque. Dado o atual nivel de explotação a que os ambientes costeiros e oceânicos estão sendo submetidos, pela ação antrópica e pela pesca, num cenário de crescente instabilidade do clima, torna-se urgente o desenvolvimento de  estudos relacionados as variações ambientais e climáticas, assim como o conhecimento da interconectividade dos habitats dos organismos aquáticos com  seus ecossistemas. Estas informações são de extrema  importância para a elaboração de planos de gestão e manejo mais eficientes, particularmente em função da situação crítica em que se encontram os principais estoques pesqueiros. Muitas espécies marinhas utilizam diferentes habitats essenciais durante fases distintas do seu desenvolvimento, completando assim os seus ciclos de vida. Essa conectividade de habitats pode ser interrompida por causa da ação antrópica local, como degradação direta do ambiente ou mudanças climáticas. As conexões podem se estabelecer entre ecossistemas adjacentes ou em gradientes de profundidade. 

Objetivo Principal: analisar a distribuição diferencial dos diferentes estágios de vida das espécies de importância econômica na costa nordeste-norte do Brasil, identificando zonas de berçários e de desova e monitorar a rota migratória, de algumas das principais espécies pelágicas mais capturadas na pesca de espinhel nas proximidades de ilhas oceânicas e montes submarinos. 

Coordenadores: Fabio Hazin (UFRPE) & Thierry Frédou (UFRPE)

Abordagem Metodológica: marcação eletrônica-acustica (tagging), receptores acústicos, PSAT, trabalhos de campo, análises estatísticas, CPUE, indicadores de integridade biológica.