Bioprospecção de Produtos Naturais de Origem Marinha

Os produtos naturais de origem marinha com atividade biológica começaram a ser explorados de forma sistemática relativamente recente se comparados aos produtos naturais de origem terrestre. Entretanto, de forma análoga ao que aconteceu com os produtos naturais de origem terrestre – que direta ou indiretamente (através de modificação molecular ou semi-síntese) representam uma parcela significativa de todo o arsenal terapêutico disponível – os produtos de origem marinha já representam uma promissora fonte de substâncias com finalidades terapêuticas, com alguns produtos já aprovados para uso humano (como alguns com atividade analgésica e antitumoral) e centenas de substâncias em fases variadas de ensaios clínicos. A variedade estrutural destas substâncias é surpreendente, e eles representam uma fonte ainda pouco explorada de diversidade molecular, que certamente deverá levar ao desenvolvimento de novos medicamentos como analgésicos, antitumorais, antibióticos e anti-inflamatórios. O Brasil é um país que tem despertado recentemente para a necessidade de indução de pesquisas na área de biotecnologia marinha, e o Comitê Executivo para Levantamento e Avaliação do Potencial Biotecnológico da Biodiversidade Marinha (Biomar), no seu Plano Nacional de Trabalho (PNT-Biomar) estabelece como uma das áreas a serem priorizadas o desenvolvimento de fármacos, medicamentos e kits diagnósticos. Para isto, faz-se necessário um maior conhecimento da quimiotaxonomia dos organismos marinhos ao nosso alcance, o isolamento de novos produtos naturais e a avaliação de sua atividade biológica. Um aspecto ainda menos explorado na área de bioprospecção de produtos naturais de origem marinha é o impacto das mudanças climáticas sobre o perfil de substâncias produzidas pelos diversos organismos marinhos, um fator importante a ser considerado, uma vez que situações de estresse (entre estes o estresse térmico) são sabidamente indutoras da síntese de metabólitos especiais, e que as mudanças no ambiente marinho decorrentes de ações antrópicas podem ter um efeito profundo sobre a biodiversidade marinha. 

Objetivo Principal: obter moléculas e/ou extratos padronizados de organismos marinhos com potencial farmacológico e terapêutico, bem como definir  espécies de microalgas que sejam potenciais produtoras de biodiesel. Para detalhamento, ver apêndice Apêndice IX.

 Coordenadores: José Barbosa Filho (UFPB) & George Miranda (UFPB)

Abordagem Metodológica: coleta, triagem, identificação e conservação do material biológico; isolamento e purificação dos constituintes químicos; síntese de constituintes químicos oriundos de espécies marinhas; caracterização do perfil lipídico de microalgas marinhas, estudo da atividade anti-inflamatória, analgésica e imuno-moduladora dos compostos isolados.