Marcadores de Impacto Ambiental

Crédito - Rafael Lemos 2

Entender os processos que controlam a biodisponibilidade, a ciclagem e o impacto dos contaminantes ainda é um desafio a ser vencido. Isto se deve a complexidade envolvida, pois as relações entre contaminantes e fauna incluem uma gama de possíveis efeitos e, não apenas com os diversos contaminantes orgânicos e inorgânicos presentes no meio, mas também com outros estressores ambientais (e.g. salinidade, granulometria e temperatura). Foram escolhidos alguns ecossistemas chave ao longo da costa N-NE, os quais apresentam características físicas, químicas e biológicas bastante heterogêneas, as quais refletem diretamente na resiliência de cada área. Para tanto serão desenvolvidas metodologias analíticas para determinar “contaminantes emergentes” (ex.: hormônios, ftalatos, alquilfenóis) por cromatografia a gás, bem como a especiação química de elementos traço. A avaliação dos impactos ambientais utilizará as seguintes linhas de múltipla evidência: avaliação de teores de contaminantes orgânicos e inorgânicos nos compartimentos bióticos e abióticos, avaliação da estrutura de comunidades bentônicas, testes de ecotoxicidade, análise de risco toxicológico a saúde humana devido à ingestão de mariscos/peixes contaminados, entre outros. Estas ferramentas integradas conseguirão tratar de maneira concertada com a abrangência, heterogeneidade espaço-temporal e complexidade dos processos associados aos impactos ambientais na costa N-NE do Brasil. 

Objetivo Principal: avaliar de forma integrada os impactos ambientais baseado no uso de linhas de múltiplas evidências, empregando marcadores bióticos e abióticos. 

 Coordenadores: Vanessa Hatje (UFBA) & Gilvan Yogui (UFPE). 

Abordagem Metodológica: levantamentos de campo, análises quimicas,  biomonitores, ensaios ecotóxicológicos.